Agentes culturais e servidores da Secult são certificados em curso de formação

Agentes culturais de Camaçari, conselheiros municipais de Cultura, servidores da Secretaria da Cultura (Secult) e membros da sociedade civil que participaram do curso “Desenvolvimento Cultural Pós-Pandemia: outras perspectivas, leituras e reflexões a partir de Néstor García Canclini”, receberam a certificação, nesta quarta-feira (8/6), após a última aula da formação. Os documentos de conclusão da qualificação foram entregues pela secretária da pasta, Márcia Tude, que destacou que a ação é o início de uma série de capacitações a serem realizadas.

A ideia da formação, iniciada no dia 20 de maio, foi promover uma reflexão sobre os conceitos de estudo das políticas culturais na América Latina, em vista o desenvolvimento cultural pós-pandêmico nas cidades, tendo como base o livro “Política Cultural – Conceito, Trajetória e Reflexão”, de autoria do antropólogo argentino, Néstor Garcia Canclini.

Ao saber que sua obra serviu de base para o curso, o escritor Néstor Garcia Canclini, que mora na capital Cidade do México, fez questão de enviar um vídeo saudando a secretária Márcia Tude e os alunos. “Me alegra saber que estão trabalhando sobre cultura a partir dos meus textos, justamente nestes dias, em que estou escrevendo um novo artigo sobre como os movimentos sociais, feministas, indígenas, afro-americanos e de distintas diversidades, estão modificando a maneira de entender a cultura popular como um bloco, e sim com uma convergência de posições sociais, culturais e políticas. Acompanho com atenção o trabalho que vocês estão fazendo”, disse.

Para Luciel Neto, subsecretário e presidente do Conselho Municipal de Cultura, o curso foi superproveitoso. “O conhecimento é construído, e isso é feito através do diálogo, que é o que fizemos aqui. Pude aprofundar o meu conhecimento e possibilitou que, como gestor, eu possa ter novas perspectivas em pensar a cultura”, afirmou.

A atividade teve como ministrantes o doutor e a mestra em Cultura e Sociedade pelo Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos (IHAC) da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Juan Ignacio Brizuela e Kátia Maria de Souza Costa, respectivamente, que avaliaram a iniciativa de forma positiva. “Estamos felizes pelo processo, participação ao longo dos dias e aprendizado que tivemos nessa troca com cada um dos alunos. Saímos satisfeitos em relação a algumas sementes, estímulos e os projetos que surgiram a partir das aulas”, destacou Brizuela.

Para Kátia Costa, a receptividade da proposta foi muito boa. “A partir da leitura e interpretação de texto, junto com o grupo, pudemos criar conexões com o momento atual, através das experiências de cada um. O que isso nos mostrou foi que existe um acervo enorme de conhecimentos e práticas, e que nós conseguimos nos debruçar para refletir acerca das políticas culturais. Esse grupo nos devolve o estímulo para continuar”, disse.

Entre os participantes do curso, o artesão Robert Cayque Cedraz destacou que a ação foi muito interessante. “Tenho interesse por cultura, e pensar em ações que possibilitem avanços na área é bem importante. Também contribuiu para o meu conhecimento como artista”, ressaltou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *