Secult dá início à construção do Plano Municipal de Cultura

As políticas culturais em Camaçari ganharão um importante norteador. O Plano Municipal de Cultura, que irá fundamentar, regulamentar e orientar as ações no segmento, foi lançado oficialmente nesta terça-feira (21/9) pela Secretaria da Cultura (Secult). O evento, realizado no Foyer do Teatro da Cidade do Saber, marca o início da elaboração do documento. Também nesta terça, foi disponibilizado no portal da pasta (htttp://Secult.camacari.ba.gov.br) um formulário através do qual os agentes culturais do município poderão deixar suas contribuições.

Representando o prefeito Elinaldo Araújo, o vice-prefeito José Tude destacou que a concretização do plano beneficiará, além da cultura, o turismo, a educação e a área social. “O prefeito Elinaldo tem um olhar sensível para a cultura. A orientação dele é que seja promovida a sobrevivência dos agentes culturais e que a cultura seja levada para todos os cantos. Por isso, espero que com o plano possamos tornar a arte ainda mais acessível, principalmente na nossa costa”, afirmou.

A titular da Secult, Márcia Tude, pontuou que para a construção do Plano Municipal de Cultura é fundamental o envolvimento da sociedade civil para que o documento, verdadeiramente, atenda aos anseios da população. “Um dos nossos objetivos é fazer com que os moradores tenham de fato uma ligação afetiva com Camaçari, precisamos aproximar o ser da cidade”, afirmou. Durante o evento, a secretária ainda apresentou dados sobre o programa Cultura Todo Dia, das ações e equipamentos geridos pela pasta, além dos agentes e espaços culturais catalogados pelo Mapa Cultural.

O subsecretário da Secult e presidente do Conselho Municipal de Cultura, Luciel Neto, explicou que o Plano Municipal terá validade de 10 anos. “Para a elaboração, acontecerão discussões amplas na sede, costa e zona rural a fim de que a população possa dizer o que pensa e o que quer para a cultura”.

Para o representante da Diretoria de Territorialização da Secretaria de Cultura da Bahia (Secult-BA), Geovan Adorno Braz, Camaçari é conhecida por ser uma cidade industrial, mas também é um grande polo cultural. “Hoje o município dá um importante passo para a consolidação de políticas culturais. A cultura acontece organicamente na vida das pessoas e o nosso papel como gestores é dar os instrumentos para que os fazedores de cultura façam ela acontecer”.

Também participou do lançamento do Plano Municipal de Cultura, o presidente da Fundação Gregório de Matos (FGM), Fernando Guerreiro. “Este é um momento histórico, que dá o pontapé para a concretização de um documento importante, que transpassa gestões e coloca a cultura na ordem do dia”, destacou.

O evento contou ainda com palestras sobre “Cultura, Educação e Formação Cidadã”, ministrada pelo professor e assessor Especial da Secretaria de Educação (Seduc), João Dão, e sobre “Cultura e Turismo em Comunidades Tradicionais”, feita pelo professor, historiador e doutorando em Educação pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Tássio Simões Cardoso; além de apresentação do Conservatório de Música da Cidade do Saber e a exposição “Os Caminhos de Osun: de Osogbo ao Rio Pojuca”, do fotógrafo Arthur Seabra.

Estiveram presentes no lançamento, agentes, militantes e produtores culturais de Camaçari e região, além das secretárias da Educação, Neurilene Martins, do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente, Andréa Montenegro, do Desenvolvimento Social e Cidadania, Reni Oliveira, e do Turismo, Cristiane Bacelar. Também participaram, o ouvidor-geral do município, Zé do Pão, o diretor-presidente da empresa de Limpeza Pública de Camaçari (Limpec), Aldene Mota, a subsecretária de Governo, Ilay Ellery, bem como os secretários de Turismo e Cultura de Lauro de Freitas e de Esporte, Cultura e Lazer de Dias d’Ávila, André Pereira e Diego Schesari, respectivamente.

Próximas etapas

Após o lançamento, o passo seguinte para a elaboração do Plano Municipal de Cultura acontece nesta quinta e sexta-feira (23 e 24/9), no Barracão Cultural de Arembepe, quando um dos Grupos de Trabalho (GT) estará debruçado na discussão de propostas, dando início a uma série de encontros com a sociedade civil, na sede, costa e zona rural.

Cada GT contará com a participação de 30 agentes culturais do município. Depois da elaboração do texto e ajustes finais, o documento será debatido em audiência pública e, posteriormente, enviado pelo prefeito para votação na Câmara de Vereadores, onde será transformado em Projeto de Lei. Todo o processo de construção segue até março de 2022.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *